terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

CONSTRUÇÃO NOVA SEM RECUO NO BONFA



Rua Judite França, 53
....´....

Em Homenagem ao Zé Alagão

SABESP SABOTA SERRA

A região da cidade de São Paulo que é o maior baluarte do PSDB tem suas torneiras secas por dois dias consecutivos até este momento. O prestígio do Governador decresce a cada hora adicional em que vamos ao banheiro e não podemos dar descarga, quando abrimos a torneira maquinalmente e dela nada jorra. Setecentos e cinquenta mil pessoas afetadas e aumentando. Se considerarmos que cada pessoa pode influenciar pelo menos cinco outras pessoas, quando chegar a hora da eleição, os descontentes serão legião.

E quem é responsável por esta situação? Mais uma vez, a SABESP.

Os defensores do Governador, provavelmente moradores em áreas não afetadas pela falta d'água apressar-se-ão em dizer que ocorreu um acidente, em um local onde o reparo está sendo dificultado pela inundação da obra pelas águas do Rio Cordeiro.

Não discuto isso. O que discuto é a atitude da Sabesp em relação ao problema e em relação à população afetada.

O problema ocorreu na madrugada do sábado, segundo se noticiou. Pois bem. Os técnicos da Sabesp conhecem a rede, conhecem as vazões, sabem perfeitamente que uma interrupção daquela adutora teria como consequencia a interrupção do fornecimento de uma ampla área da cidade e estão acostumados a manobrar fluxos de água para as manutenções rotineiras de reservatórios.

Então, porque não foi transmitido um alerta na manhã do sábado para que a população se preparasse? A população somente foi informada no fim da tarde de sábado, ou seja, consumiu água normalmente o dia todo, sem saber do problema. A pressão caiu? E daí. Isso é "normal".

Durante todo o domingo e a segunda a Sabesp está cavando a Berrini, lutando contra a inundação da valeta onde se encontra a adutora a 8 metros de profundidade. E os competentes engenheiros não falam em utilizar uma técnica milenar para abordagem deste problema, qual seja o "caisson" ou sino de mergulho. Por quê?

Porque eles não têm interesse em resolver o problema. Porque, ao que tudo indica, a diretoria da Sabesp está empenhada em uma campanha de descrédito do governador, comprometendo sua candidatura à Presidência da República.

Agora, no fim do dia, segunda-feira, começa-se a falar sobre algo que deveria ter sido feito na primeira hora - caso tivessem interesse em poupar a imagem do governador - manobrar o fluxo de água na rede e restabelecer o fornecimento, ainda que parcial.

A população nem iria notar a precariedade, acostumada que está à perda de pressão quase que diária em suas torneiras. Mas poderiam tomar banhos de pingos, dar descarga em seus vasos sanitários, lavar as mãos, cozinhar, enfim, estas bobagens que a população insiste em fazer e em exigir do governo. Eita povinho mal-acostumado! O Haiti é aqui. Pense no Haiti.

Mais alguns dias sem água nas torneiras e muita água nas salas de visita da população, e o governador pode tirar o cavalo da chuva, porque sua candidatura estará fazendo água e afundando.

É triste, porque a debacle do Governador José Serra não significa que a posição de sua adversária tenha melhorado, mas, por outro lado, pode reforçar a candidatura de Marina Silva.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Problemas chineses

Paul Krugman - 04/02/10

Então a manipulação da moeda chinesa está começando a receber a dura que merece. Bom.

Mas do que é mesmo que isso se trata?

Taxas de câmbio são um tema tão misterioso, mais difícil de explicar do que uma reunião com o Dalai Lama.

Bem. O caso do renminbi não é absolutamente difícil de explicar – é simplesmente oferta e procura. Vejam:

rmb_peg.png

Quanto mais desvalorizada a taxa de câmbio da China – mais alto o preço do dólar em yuans* – mais dólares a China ganha com exportações e menos dólares ela gasta com importações. (Os fluxos de capitais complicam a história um pouco, mas não mudam isso no fundamental).

Ao manter sua moeda artificialmente fraca – um preço mais alto de dólares em termos de yuan – a China gera um superávit de dólares; isso significa que o governo chinês precisa comprar os dólares em excesso. Não há nenhum mistério nisso.

Não há tampouco nenhum mistério nas implicações: no ambiente atual, com alto desemprego por todo o mundo e políticas de taxas de juros as mais baixas possíveis, isso é uma política predatória, às custas dos parceiros comerciais.

* Renminbi é o nome da moeda; yuan é a unidade. Pensem na esterlina e na libra.