segunda-feira, 2 de abril de 2012

EU E A CET...

À
CET- Cia de Engenharia (?!!!) de Tráfego
NESTA

Senhores,

Agradeço a fineza de sua resposta, o que já representa um progresso em relação a verões passados, quando nossas reclamações caiam no buraco negro da administração pública.

Mas, convenhamos, a constatação pura e simples do que aconteceu em nada contribui para a solução do problema.  Estamos conscientes de que a CET está cumprindo a lei  - a lei do menor esforço - e que o problema está além da capacidade técnica instalada na companhia.

Conforme salientamos em nosso e-mail, é fatal que a solução encontrada passe pela "PROIBIÇÃO de estacionamento, PROIBIÇÃO de parada, PROIBIÇÃO de estacionamento, gradis para PROBIÇÃO de circulação", etc. - um etc. que deve conter muitas proibições.  Mas, tenham em mente que este método de administração é tradicional na cultura ibérica. Remonta às Ordenações Filipinas e Manuelinas. Muito moderno e eficiente.

Estamos também conscientes das limitações de recursos, tanto orçamentários quanto humanos, para um estudo mais amplo da circulação viária da região, que resultasse em uma solução efetiva para nossos problemas.  Nem se cogita de liberar circulações, ao invés de proibir. Restabelecer a vocação original das vias, qual seja de circulação bidirecional (isso é muito racional, é um absurdo!). Aumentar o número de pontes, então, fora de cogitação.  Limitar a entrada de veículos com placas de municípios fora de são paulo no horário de pico, também nem pensar.  A quantidade de veículos de Cotia, Taboão e outros municípios no vetor Raposo, demandando as pontes é brutal. 

A Sapetuba, por exemplo, poderia ter sua configuração original RESTABELECIDA, de forma a PERMITIR a entrada dos veículos da Fco. Morato à direita, demandando a Raposo, o que ALIVIARIA A PRESSÃO sobre o entorno da Estação do Metrô.

Mas, senhores, vamos dar por encerrado este capítulo, diante das condições objetivas da administração pública da cidade de São Paulo.
Com a transformação da Raposo em avenida e a expansão da cidade naquele vetor, a inexistência de projeto de aumento do número de pontes sobre o Rio Pinheiros vai levar à paralisação pura e simples da ligação Butantã-São Paulo.

Agradeço mais uma vez a deferência.

Atenciosamente
José Antonio de Souza Filardo
cidadão, motorista, contribuinte e ELEITOR.


Em 02/04/2012 12:31, CGP escreveu:

 

 

REFERÊNCIA  : E-Mail  de 05/03/2012 – Sr. José Antonio Filardo

INTERESSADO: SGM – AAM- GAB – Sr. José Antônio Filardo

ASSUNTO        :  Solicita melhorias na região da Rua Alvarenga e Av. Vital Brasil.

 

 

Prezado Senhor,

 

 

“Em atenção ao solicitado, informamos que desde a inauguração do terminal Butantã do Metrô, a CET realizou algumas alterações no entorno do referido terminal, visando a melhoria das condições de segurança e fluidez do local, como a inversão de mão de direção da Rua Dráusio, a proibição de estacionamento e implantação de gradis na Rua MMDC, a proibição de parada e de estacionamento no trecho da Av. Vital Brasil próximo a entrada do terminal, etc.

Porém, em virtude do aumento da demanda veicular gerada pelo terminal, principalmente junto ao cruzamento da Rua Pirajussara x Rua MMDC, ocorrem prejuízos à fluidez viária nesta região, sendo que foram elaborados projetos prevendo o rebalizamento das faixas de aproximação, bem como a proibição de parada e de estacionamento no trecho Rua Pirajussara situado entre a Av. Vital Brasil e a Rua MMDC. Estes projetos estão aguardando a implantação.

Com relação à utilização da via interna de acesso ao Terminal de Ônibus Butantã do Metro para embarque e desembarque de passageiros, informamos que somos contrários a tal medida, uma vez que traria prejuízo à circulação e operacionalização dos ônibus dentro de terminal, bem como poderia estimular o tráfego de passagem dentro do terminal, aumentando o risco de atropelamentos.

 

Salientamos que os veículos oriundos do sentido bairro/centro da Av. Vital Brasil que desejam adentrar o terminal para embarcar/desembarcar os passageiros e em seguida acessar a R. MMDC; em virtude da proibição do acesso ao terminal, devem seguir pela Av. Vital Brasil por mais 30 metros e realizar a conversão à direita na Av. Pirajussara e realizar outra conversão à direita Rua MMDC onde poderão embarcar/desembarcar os passageiros.

 

Atenciosamente,

 

Chefe de Gabinete da Presidência