sexta-feira, 15 de junho de 2012

Como ser perfeito


Por Ron Padgett

Durma um pouco.

Coma uma laranja todas as manhãs.

Seja amigável. Isso contribuirá para fazer você feliz.

Deseje tudo. Não espere nada.

Cuide de coisas perto de casa primeiro. Arrume seu quarto
 antes de sair para salvar o mundo. Em seguida, salve o mundo.
Ser agradável para as pessoas antes que elas tenham uma chance de se comportar mal.

Não fique irritado sobre qualquer coisa por mais de uma semana, mas não
esquela o que te deixou irritado. Segure sua raiva
e olhe para ela, como se ela fosse uma bola de vidro. Em seguida, adicione-a à sua coleção de
bolas de gude.

Use sapatos confortáveis.

 Não gaste muito tempo com grandes grupos de pessoas.

Planeje o seu dia assim você nunca terá que se apressar.

Mostre seu apreço para as pessoas que fazem coisas para você, mesmo se
 você as pagou, mesmo que elas façam favores não desejados.

Após o jantar, lave a louça.

 Acalme-se.

Não espera que seus filhos te amem, assim que eles poderão fazê-lo, se quiserem


Não ser demasiado autocrítico ou demasiado autocomplacente.

Não ache que o progresso existe. Ele não existe.

Imagine o que você gostaria de ver acontecer e, em seguida, não faça
coisa alguma para torná-lo impossível.

 Perdoe seu país de vez em quando. Se isto não for
possível, vá para outro.

Se você se sentir cansado, descanse.

Não se deprimido sobre envelhecer. Isso vai fazer você se sentir
ainda mais velho. O que é deprimente.

Faça uma coisa de cada vez.

Se você queimar seu dedo, coloque gelo sobre ele imediatamente. Se você der
uma martelada no dedo, segure sua mão no ar durante 20
minutos. Você vai se surpreender com os poderes curativos do gelo e da
gravidade.

Não inale fumaça.

Respire profundamente.

Não tente enganar um policial.

Seja bom.

Seja honesto consigo mesmo, diplomático com os outros.

Não fique com muita raiva. É um desperdício de tempo. 

Beba muita água. Quando perguntado o que você gostaria de
beber, diga, "Água, por favor."

 Leve o lixo para fora.

Ame a vida.

Leve moedas consigo.

Quando houver um tiroteios na rua, não chegue perto da janela.

 

Trechos de How to be Perfect por Ron Padgett, . © Café House Press, 2007. Reproduzido sem permissão

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Fwd: REFLEXÕES DE UMA MANHÃ EMBURRADA...

A velhice está me tornando mais sensível, eu acho. Ou talvez por que as
sessões de acupuntura que resolveram meus problemas de estômago tenham
ajudado a equilibrar as energias do meu corpo e aumentado minha
sensibilidade. Ou talvez, ainda, seja influência da parada gay... vai
saber. Acho que é a reflexão sobre a vida e o retrospecto (que é
natural, espero...) que a aproximação do fim (apocalíptico, não?) nos
induzem. Assim, cheguei à conclusão de que tenho um problema de atitude
que gera nas outras pessoas uma reação do tipo "não posso contar com
ele, porque ele não se envolve e não se entrega". Ou quem sabe, minhas
posições radicais geram reações insuspeitadas. (pelo menos um irmão, eu
sei que tem uma profunda antipatia pela minha incômoda assinatura
"Apóstata"...) Agora que refleti sobre o assunto, em retrospecto percebo
que esta é uma atitude que sempre pautou minha vida, talvez como
certamente meu futuro analista classificará como "mecanismo de proteção
contra sofrimento". E isso será verdade, pois há anos eu já dizia: "Não
espere nada dos outros. Se vier alguma coisa, ótimo. Se nada vier, tudo
bem, pois não se esperava nada mesmo." É claro que isso não se refere às
lojas maçonicas de que fui membro, pois nelas o "aderente" tem sempre um
status diferente daquele "de primeira hora" ou que tenha "nascido" na
loja. Pelo menos essa é minha observação em todos estes anos, quando
deixei minha loja-mãe e passei por quatro outras lojas. O recém-chegado
nunca deixa de ser um estranho. Será um primo-irmão, no máximo. Estou
colocando essas reflexões nesta manhã emburrada, onde me senti excluído
tanto pela loja Arquitetos do progresso (não fizeram "questã" de
convidar-me nominalmente para o aniversário da loja), quanto pela F.
Pessoa, na medida que o Venerável não me incluiu entre os M.I.s cuja
presença é reclamada na próxima sessão. De toda forma, em ambos os
casos, uma circunstância particular - tenho que buscar minha filha no
aeroporto de madrugada do sábado (não sei se consigo acordar em tempo) e
um almoço marcado no domingo para a volta dela - deverão impedir meu
comparecimento aos dois eventos. Desde já, peço desculpas por, mais uma
vez, não me envolver como era esperado. É a história de minha vida. Mas,
parece que o sol está timidamente tentando vencer as nuvens hoje. Seria
bom. Melhoraria meu astral.